sábado, 10 de outubro de 2009

Barraca


Barack ganhou o prémio Nobel da Paz.

Eu gosto dele, da sua estudada leveza, da pose, do savoir faire.
Quanto ao resto, sei lá?!? O homem só está naquela posição há uns meses, nem teve tempo de ler todos os arquivos dos assuntos difíceis, veremos os seus actos. Mas para já, é diferente do que estamos habituados, não é de graça que é um não-branco, o primeiro não-branco na Casa Branca.

Isto achei fantástico, só nos USA, esse país inquinado de preconceitos raciais, teorias do mérito e defesa despudorada do seu próprio modo de vida. Não sendo fã dos USA em tanta e tanta coisa, confesso que fiquei impressionada com aquele povo, quando o tipo ganhou as eleições - na liberal Europa parece-me impossível um não-branco subir a tal altura, para já.

Mas é conveniente realçar que não fiquei impressionada com ele, fiquei impressionada com o povo dele.

O Nobel da Paz é outro assunto. Que raio de provas privadas terá dado o homem (públicas parece-me que não há) para estar ao lado de Mandela que impediu, além de um passageiro banho de sangue, uma doentia propagação de ódio - que custa mais a ser absorvida pelo planeta que um saco de plástico?

Ele confessou-se espantado. Eu cá também fiquei mas no meu caso é o discernimento comezinho de uma pessoa vulgar. E também me entristece saber que o espanto pela barraca do Nobel o honra a ele mas não a mim, pela própria natureza da humanidade.

Hélas!

5 comentários:

Sam disse...

acho o titulo muito bem escolhido.

este premio Nobel foi sem duvida uma grande barraca, daqui a um ano ou dois, talvez, tivesse uma explicação lógica agora, a meu, ver não teve.

Maria de Fátima disse...

palavras sábias
até eu que não penso, até eu fiquei dizendo, para aqueles com que prendo o fato, se não haveriam outros que a gente dissesse sim senhor foi por isto e mais aqueleloutro
agora assim, até parece que estão a condicionar o homem a colocar-lhe uma peia em vez de meritá-lo

Alferes disse...

A Maria de Fátima toca no ponto: condicionar! É isso que representa o prémio.

mac disse...

Sam, obrigada... Se bem que original - no sentido de que não roubei a ideia a ninguém, ocorreu-me que era um bom trocadilho - afinal não é assim tão original, pois disseram-me que os bonecos do Contra Informação chamam ao homem "Barraca Abana".
É claro que na altura em que lhe deram o nome não sabiam da barraca do Nobel, mas... Chego tarde, anyway!

Maria de Fátima, eu nem acredito, estamos de acordo??!!? Milaaaaagre (e nem tem nada a ver com ananás, seus descrentes)!

Alferes, uma barraca ainda maior.

Blimunda disse...

Já há dias escrevi algures, talvez em casa da Saphou, que quando ouvi a notícia deste nobel o meu primeiro pensamento foi que terá sido atribuído como uma espécie de requiem, mas ao contrário - não da morte mas sim da paz.