segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Um


É a base, o pilar. A tinta com que se escrevem as letras.

Todos os números mais não são que a quantidade de 1s envolvidos: um quaquilhão (número impressionante) é um quaquilhão de uns - e é esta a quantidade que impressiona, não o quaquilhão ele próprio que afinal é só um, coitado.

A Unidade permanece imutável, sempre a mesma, única mesmo que composta, o referencial, aquilo cuja natureza intrínseca nunca se altera seja qual for a sua natureza extrínseca. É mágico, não é?

Sem pelo menos 1 nada existiria. Já repararam bem? É que nem conseguíamos ter uma partezita, pequenininha, 1 cheirinho... Se não houvesse o 1 de que isso é parte.

Hélas!

6 comentários:

Marques Correia disse...

... e pensar que tudo existiu antes de termos o conceito do 1 e do zero, hã?!
Ganda Natureza que se marimba positivamente que o conceito de 1 ainda não tenha sido formulado e, indiferente a isso, as "coisas" existem, somam-se, multiplicam-se e anulam-se...

Maria de Fátima disse...

e até obras de alta engenharia...como a dos castores...que não sendo o que nós somos...
mas a matemática...

Mofina disse...

O zero vírgula qualquer coisa já é alguma coisa mesmo que não seja 1 coisa inteira. Viva a vírgula!

mac disse...

Marques Correia, mas é isso mesmo, não vês? O Homem inventa meios de retratar melhor a realidade, é por isso que a Matemética é uma ciência.

Maria de Fátima, ora pois. Na matemática ganhamos aos castores e nas obras de alta ou baixa engenharia também. É por essas e outras que estamos no topo da cadeia alimentar, né?

Mofina, viva! E viva o 1, de que vírgula representa a fracção...

lenor disse...

O 1 não (se) aquece nem (se) arrefece.

mac disse...

Lenor, aquece, não arrefece. Pode crer...