segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Há malta alegre...


O vizinho assobiou a avisar da sua presença, o que me deixou logo desconfiada - normalmente só dou por ele quando se ri alarvemente das minhas ralações.

- Podemos falar? - Disse ele, com ar simpático. O malandro sabe muito bem que nunca na minha vida me neguei a falar com quer quer que seja, em que situação for. Está careca de saber que penso que são as palavras a salvação da Humanidade mas só se houver quem oiça.

- Que queres?
- Quero saber se é verdade. Ouvi dizer que que andas para aí a arengar às massas que o Homem é um ser racional e intrínsecamente bom...
- É verdade. O Homem é assim. - Estou segura de mim própria, muito calma.
- Palavra? Mas então porque diabo anda esse tipo a matar-se a si próprio e a estrafegar as suas crianças com requintes de crueldade, há milhares de anos?!?

E esgueirou-se escada acima, a gargalhar desalmadamente. Há malta muito alegre. E são rápidos, a jarra que lhe atirei falhou por um triz.

Hélas!

2 comentários:

Maria de Fátima disse...

olha que, não fosse esse gargalhar, eu bem podia ser tua vizinha...ou serei?!

mac disse...

Maria de Fátima: Também és. Rica vizinhança a minha...

Hélas!