segunda-feira, 6 de julho de 2009

Pois é...


Conhecem alguém que vos encha as medidas de forma completa? Não falo de amores, que o coração tem razões que a razão desconhece e que para aqui também não são chamados
Falo de outra coisa: uma pessoa, viva e ainda capaz de vos desapontar, a quem se admira como expoente daquilo que se deseja ser.

Conhecem alguém - vivo - que seja um modelo? Com quem aspirem a parecer-se? Alguém que admirem de tal forma que não vos custava nada dobrar o joelho em público?

Eu também não. Acho que é por isso que se diz que vivemos uma crise de valores.

Hélas!

9 comentários:

teresa g. disse...

Conheço. Alguém que nos faz ter fé na raça humana. Mas tenho consciência de que com sorte se encontram pessoas destas uma ou duas vezes na vida. Portanto sou uma sortuda :)

(Sou forreta a comentar, mas sempre deito um rabinho de olho na couve :) )

mac disse...

teresa g., não falo de quem nos faz ter fé na raça humana, volta não vira encontro disso, nem sempre na mesma pessoa...É mais em actos avulso.

Mas se conhece alguém vivo que é um modelo, com quem realmente gostaria de se parecer inteira, deite mas é uma velinha à N. S. dos Desencontrados... Que eu não posso.

Mas fico invejosa, mesmo invejosa: com sorte se encontram pessoas destas uma ou duas vezes na vida... UMA ou DUAS vezes?!?

Caramba, que ando no trilho errado da vida.

lenor disse...

Às vezes cruzamo-nos com pessoas dessas mas depois separamo-nos e até nos esquecemos de quem gostávamos de ser.

Mofina Mendes disse...

Como a teresa g. tb sou uma sortuda... As pessoas que me rodeiam, de uma forma geral, são os meus heróis, sobretudo por serem tão comuns e reais.

Blimunda disse...

Como tem vindo a ser recorrente, a minha amiga continua na busca desesperada da perfeição! Desista! Nunca a encontrará simplesmente porque não existe!

Maria de Fátima disse...

essa Blimunda anda irritar-me que me tira as palavras do comentário e depois terei que inventar outro e já nem é nada que valha pois ela disse tudo e tão bem, tão certeiro que me apetece (depois da irritação, breve) agradecer-lhe por evitar-me esse trabalho
acrescantar, e só posso aqui ser eu, talvez, apenas:
minha querida e aqui a sua cunhada mais querida? esqueceu-se dela?!este modelo de virtudes, não lhe serve para a ponta dum...ah! perdoe, já ia falar mal...desculpe

mac disse...

lenor, pois é. Mas o meu cinismo leva-me a pensar que se calhar, se não nos separássemos descobríamos que afinal não era bem assim que queríamos ser...

Mofina, as pessoas que me rodeiam também são, de modo geral, pessoas óptimas (se não fossem, acho que também já me tinha afastado) e capazes de actos verdadeiramente bons, mesmo heróicos. Toda a gente é, afinal.

Mas aqui eu estava a falar de alguém como alguém que efectivamente gostaríamos de ser, ao invés de ser quem somos. É um grau de exigência muito maior e definitivamente não é comum.

Blimunda, a habitual pontaria... A perfeição não existe, de acordo, mas o aperfeiçoamento sim. E como é que se alcança, sem buscar - ou tentar buscar - a perfeição?

Maria de Fátima, sim, é difícil de bater, a Blimunda... A minha cunhada mais querida - e que querida é! - não é, apesar das suas muitas virtudes e da boca suja, o meu modelo.
Eu é mais Martin Luther King, estás a ver...

jg disse...

Para se atingir a perfeição, desejada, é necessário uma dose significativa de loucura.
O que requer uma coragem muito acima da média!

mac disse...

jg, bem, eu não tenho a veleidade de alcançar a perfeição.
Mas seguramente que gostava, no ano que vem, ser melhor que este ano.