quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Eles têm que...


Esta frase tira-me do sério, tira mesmo.

Eles têm que perceber...
Ele tem de aceitar...
Eles têm que ver...
Ele tem de...

É sempre na terceira pessoa, nunca isto se conjuga na primeira forma.

Tira-me do sério. Mas têm que, tem de, porquê?!?

Porque o orador acha? Vai buscar uma metralhadora se "ele" ou "eles" não cumprirem a sua obrigação de "ter que"??? Mata-se à pancada, os malditos que não cumprem tão clara obrigação? Ou matam-se de tédio com um discurso tão pobre, mas tão pobre, que a frase que se destaca é mesmo a "têm que"?...

Ora batatas, que a malta continua mesmo na idade das cavernas.

Hélas!

6 comentários:

Marques Correia disse...

Assim retirado do contexto em cada uma dessas frases é dita, até parece que tens carradas de razão. No entanto se calhar já dizzeste várias vezes frases como:
- Os espanhóis têm que perceber (vocês têm que lhes explicar) que a gestão do projecto é nossa e que eles não podem trocar o equipamento!
- Eles têm que ver os mails todos os dias e ao longo do dia e não apenas quando lhes telefonam a dizer: abre o Outlook que te mandei um mail.
- Ele tem de fazer isto ou aquilo porque se comprometeu connosco e nós com o cliente.
- Ele tem de aceitar a responsabilidade por isto ou aquilo, já que se comprometeu a fazê-lo.
E não é verdade que seja sempre na terceira pessoa. Estás marreca de dizer coisas no género:
- Tenho de fazer isto este fim de semana (que chatice!).
-Tenho que ver este contrato muito bem porque há aqui umas cláusulas um bocado trikies.
Etc, etc.
. . . . .
É verdade que algumas vezes exprimimo-nos como se achássemos que os outros têm que ... como dizes.
Mas só às vezes.

Blimunda disse...

Eu tenho mesmo que trabalhar...arre!!!

actsist? tsist sim senhora!

Maria de Fátima disse...

o seu dilecto sobrinho, disse-me um dia: "mãezinha. vê se páras com esse constante: tenho que, tens que..."
espero ter aprendido...
(é tradutor de um estadio ansioso, pragmático e...chato)

mac disse...

Marques Correia, referia-me, neste caso, a frases deste tipo quando o "eles" são quem paga o serviço e define os termos em que o adjudica... E depois vem um caramelo dizer que "eles têm que perceber que a malta não funciona assim".

Já agora, tens que concordar que "tenho que fazer isto este fim de semana" tem um sabor bem diferente de "eles têm de perceber que a malta assim não quer", quando o serviço está definido, e pago dessa forma.

Blimunda, arre, que eu também: tenho mesmo de trabalhar, ainda por cima neste dia que tirei de férias.

PS.: já despedi o porteiro, pronto, não tsiste mais!

Maria de Fátima, não sei se o meu dilecto sobrinho tinha em mente o mesmo que eu... Que a julgar pelos comentários, como de costume ninguém percebeu.

Isto é que é uma sina! Foi preciso ter um blog para perceber que não sei escrever. Ou pelo menos, não sei escrever o que quero transmitir.

Como disseram lá atrás, arre! Que nem sei bem o que devo fazer para aprender... Que eu sei o abecedário todo e mesmo assim não consigo dizer o que quero...

Maria de Fátima disse...

tu sabes escrever...o que não sabes (ou fazes em coordenadas estranhas ao comum dos mortais) é pensar

mac disse...

Maria de Fátima, essa, doeu. Duplamente.
Porque estás enganada numa coisa, é facto que não me entendem por muito que escreva - quando o faz, o pessoal responde normalmente "ao lado", a questão principal em geral repousa ao abandono. Portanto não sei exprimir o que quero, independentemente da tentativa ser executada num português correcto.
Também é facto que o que faço não é considerado "pensar". Sobre isso tenho variados feedbacks como o teu, que de tão diferentes e respeitados lados que são, devo ter em conta.
Ouvi dizer que quem faz o que pode a mais não deve ser obrigado; mas como sabes, não acredito nisso.