terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Floresta de betão


Asseguraram-me que quando uma porta se fecha, abre-se uma janela. Sinceramente não sei se isto é uma boa notícia, porque eu moro no 10º andar.

Só coisas que me ralam.

Hélas!

13 comentários:

KingRaven disse...

Será que não era mesmo esse o sentido original da coisa? ;P

mac disse...

Achas?!? E eu a julgar que me queriam animar...

Ora batatas, tenho de tomar mais cuidado com o que me dizem.

Jardineira aprendiz disse...

Nada que umas asinhas de papel azul borboleta não resolvessem ;)

Um feliz ano de 2009!

mac disse...

Obrigada, Jardineira, vou fazer umas. Afinal sempre é uma boa notícia!

Maria de Fátima disse...

esse King Raven podia ser do meu sangue : não é que eu ia doar-te uma respsota em tudo semelhante, mais prosaica, claro; qualquer coisa assim: olha jogavas-te e a coisa passava fosse qual ela fosse

mac disse...

Só mesmo tu, para me mandares saltar da janela do 10º andar... Mas podes ficar para aí zangada, que afinal quem me assegurou isto só me queria bem, apesar de se ter esquecido de referir as asas azuis.

Como estás a ser má, eu faço umas para ti mas amarelo canário - ora toma!

Álvaro disse...

A vida é assim eu também não posso abrir a janela moro numa sub-cave

mac disse...

Álvaro, aprendi recentemente que isso não é nada que umas asinhas de papel borboleta não resolvam. Como é boa pessoa, eu faço-lhe umas azuis.

Depois é só abrir a porta e voar.

Marques Correia disse...

Bem, o sentido original da coisa, para mim, será o que tinha quando ouvi a frase pala primeira vez.
Foi no Música no Coração e o sentido era muito claro: quando na vida surge uma desgraça, ao mesmo tempo acende-se uma luzinha de esperança e conforto a atenuar a dita cuja.
No campo empresarial (...) a coisa tem outro sentido e tem que ver com janelas de oportunidade quando as portas da economia real parecem querer fechar-se. Por outras palavras (não minhas): quando há sangue na rua, compra propriedades.

Marques Correia disse...

Mais uma achega, agora para a interpretação "pessimista", sobre as janelas do 10º andar.
No verão quente (1975) as forças do progresso andavam muito chateadas (indignadas, como eles dizem) por os saudosistas, numa determinada discoteca da Caparica cantarem "impunemente", com música da gaivota que voava, voava:
"Um comunista saltava, saltava
duma janela dum 10º andar;
como esse, 'inda há muitos
'inda há muitos, p'ra empurrar"

Mofina Mendes disse...

Espero chegar à tempo de dar um xi amigo e desejar um 2009 em grande, com mil sorrisos coloridos.

Sejamos felizes contra ventos e marés!

mac disse...

Marques Correia, há sempre malta sem sentido de humor, que se há-de fazer?...

Mofina, vem perfeitamente a tempo, obrigada! Um belo 2009 para si também, recheado de gelados e borboletas.
Sejamos felizes.

Marques Correia disse...

Só p'ra quem gosta: clique aqui.
Bom 2009!!!