quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Saramago


(...) já vendeu, nos Estados Unidos, 1 milhão de livros (...), diz a TV em tom embevecido.

Estamos a falar numa população de cerca de 300 milhões de alminhas, lá pelos EUA (provavelmente, grande parte dos livros foi vendida depois do filme - feito por um primo brasuca, pois claro!, que exarcebou os fígados áquela malta tão sensível e socialmente activa).

É esta a medida da nossa grandeza literária. E notem por favor que não estou a comentar o livro mas sim a pequenez das nossas aspirações.

Hélas!

14 comentários:

Álvaro disse...

Por acaso acabei mesmo de ver na Tv um programa sobre o senhor Saramago aquele que não pontua e que estava lixado com a doutora alferes que me disse um dia que eu pontuava mal apareceu um senhor a dizer que era mentira quem dissesse que o José Saramago não pontuava e o próprio disse que não pontuava deixava isso ao cuidado ds leitores é o que eu vou passar a fazer e a doutora alferes que se lixe outro senhor disse que os livros dele não se vendiam nos estados unidos mas na tv acham que sim eu acho que não e concordo com a doutora mac que não é das hortaliças mas só das couves e do resto porque um milhão de livros na américa deve ser o mesmo que pôr 1 banana numa aldeia de macacos com 3000 ou seja não é nada

saphou disse...

Mas mac, Saramago já é espanhol!

mac disse...

Álvaro desde que me ensinaram, nunca mais me esqueci: as vírgulas devem colocar-se porque o leitor pode morrer de asfixia (quase me aconteceu, hoje e aqui) e bolas! Lá é menos um leitor...
É por isso que a pontuação tem importância, o resto são tretas de designers, mas esta é uma importância fulcral, não é?

Saphou, é um espanhol, pois sim, mas um espanhol que se afirma português, pelo menos quando dá jeito... Raio dos espanhóis, não me falem em espanhóis por unstempos. 6 meses no mínimo, pelo andar da carruagem (cá a coisa fazia-se em 3 - e não estou a falar de cor, é experiência).
Saramago não é excepção, eu estava só a comentar a nossa visão do mundo, não o excelentissimo poruguês quando convém, espanhol quando convém mais.

Marques Correia disse...

... e será que 1M de livros "estrangeiros" vendidos nos States é a ssim tão pouco quanto isso?
Eles lêem muito, ainda por cima livros "estrangeiros"?
Tirando a costa leste (zona de supostos intelectuais) o resto dos 300 M de camones lerão assim tanto, ainda por cima livros "estrangeiros" (insisto)?
. . . .
Só coisas que me ralam, dona Máqui!

Marques Correia disse...

... ainda por cima tendo o geronte ganho o Nobel há um bué de time, em 1998 (há dez anos)?

mac disse...

Marques Correia, sim, é pouco, acho que eles lêem tudo se estiver escrito em língua de gringo. Talvez não seja pouco para os pobrezitos dos portugueses, uns tipo esquecidos atrás do sol posto, naquela terra tão típica cheia da gajas descalças de xaile a vender sardinhas e figos.
E se o Nobel foi há bué de tempo, o filme é recente. A vigorosa repúdia dos cegos - perdão, dos portadores de deficiência visual - ainda é mais recente.
E há lá coisa mais interessante para os nossos irmãos americanos que uma polémica com portadores de deficiências?
O tipo que se acautele, que ainda o processam.

Marques Correia disse...

Shame on you!!!!!!!!
Chamar portadores de deficiência (de DEFICIÊNCIA!!!!) às pessoas invisuais?!
Eles são, como demonstram as mais recentes descobertas científicas, portadores de diferença, de DIFERENÇA!!!
Diferentes, mas iguais em dignidade.
Cega é a avozinha e, se calhar, tu madre!

Blimunda disse...

Por acaso foi o livro do Saramago que mais me deixou cegueta. Vi-me grega para enxergar aquela porra. Ainda assim, caramba Mac! Já não falta tudo, são só 299 M de défice!

Nuno Almeida disse...

Mac: Não podia estar mais de acordo consigo.
Um dos motivos porque não consigo ler qualquer coisa sem pontuação é exactamente porque não consigo parar, acabando sempre numa apneia cerebral.

Marques Correia disse...

Alguém me mandou isto os americanos. Acho que se podia fazer o mesmo filme cá na portuga, seleccionando só as respostas convenientes.
De qualquer modo, o filmezinho mostra-vos por que é que eu acho que vender 1M de livros, ainda por cima "estrangeiros" nos States, é obra!!!
Ganda Saramago, que não é só bom a dePilar gajas boas e mais novas...

(estou no intervalo de um curso...)

mac disse...

Marques Correia, mil perdões, nunca mais volto a chamar nomes feios aos cegos.
Com respeito ao último comentário, como te enganaste no filme, não comento...

Blimunda, sim, está quase!

Nuno Almeida, é verdade, por isso é que nunca mais me esqueci de tão valiosa lição...

Marques Correia disse...

Sorry! Troquei mesmo a porra do filme, na pressa de o "meter" a jogo.
Aqui vai ele.
Se o levarem à letra e descartarem o método Michael Moore verão que o milhão de livros vendidos pela erva daninha é mesmo obra!

Marques Correia disse...

Dona Máqui, parabéns pela sensatez em retirar aquele incómodo teste de letra lida, putativo descartador de mensagens produzidas por tenebrosos replicant droids.

mac disse...

Meu caro Marques Correia, mas que linguajar, francamente!
Eu conhecia este filme e é bem certo que a gente se ri sempre da ingnorância que não partilhamos... Mas daí a achar que lá por não se saber quem raio é o cantor Fidel qualquer coisa (bolas, a malta nem gosta de música muçulmana) não gostamos de polémicas com ceguinhos, isso já me parece abusivo.

Tirei o anti-spam a pedido de várias famílias (na verdade, foi mais protesto que pedido, mas enfim...), mas se os replicant atacarem a culpa é vossa (sim, vexa foi um dos protestadores, que eu bem me alembra...).