terça-feira, 25 de novembro de 2008

Oculista


Há malta que vê tão pouco, mas tâo pouco, que nem vê que está a precisar de óculos.

Com óculos de ver ao perto podiam perceber que o umbigo é afinal um buraquito irrelevante na sua barriga e não um buraco negro cheio de fome e de força. Mas não há nada a fazer: precisavam de usar óculos para ver que precisavam de usar óculos.


Hélas!

6 comentários:

Álvaro disse...

Polanyi utiliza até com muita graça o
exemplo das sociedades tribais, largamente estudadas por Thurnwald e
Malinowski, onde esse fenómeno já é detectável, mesmo sem a existência do Dr. Abrupto

Blimunda disse...

Não é que tenho andado a ver tão mal que nem sei se o dito auto-próprio orifício é gigante ou nano. Nem mesmo sei se é próprio ou alheio.

alegria disse...

preciso mesmo de oculos...tenho de ir ao Quintas.

mac disse...

Dr. Álvaro, a antropológica desconstrução do entendimento convencional também é assunto do meu interesse mas acho-o demasiado sério para este forum. São uma cambada, ainda gozavam com a gente.

Blimunda, é tudo uma questão de pontos de vista, de óculos ou binóculos. Ou mesmo monóculo.

Alegria, não vá… A vida é tão mais grata!

Marques Correia disse...

Caraças!
Atão o umbigo não é mesmo um buraco negro cheio de fome e força?!
... que é enoooooorme e que faz mover os homens que (julgam que) fazem mover o Mundo?
. . . . .
'tou feito: tenho que voltar para a escola aprender o b-a bá...

mac disse...

Marques Correia, lamento ser eu a portadora dessa verdade abstrusa mas tenho mesmo de confirmar.
... Será coincidência, os homens que de facto moveram o mundo para a frente (isto não é irrelevante, também os há que o moveram para trás, embora temporariamente, acho eu) terem todos uma coisita irrelevante na barriga? Quero dizer nem notavam a existência disso. Parece-me.