quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Intervalo


Esqueçam-se de mim.
Dêem-me tempo de Gestação.
Deixem-me chegar ao fim
Desta Transformação.

A Esperança foi afastada,
O Sonho passeia distante,
A Vida é apertada
Entre Mais, Menos e Bastante.

O Dia é curto e comprido,
O Espírito olha e hesita.
Na tontura do Vivido
O Futuro periclita.

Esqueçam-se de mim.
Dêem-me tempo de Gestação.
Deixem-me chegar ao fim
Desta Transformação.

Hélas!

18 comentários:

Marques Correia disse...

Poça!

mac disse...

Marques Correia, hã?
Nã te preocupes ca mecinha é de pau. Desde que não se chegue demais à lareira, 'tá tudo bem.

Blimunda disse...

Lembrem-se de mim agora
Quando peço para me esquecerem.
Esqueçam-se de mim depois
Quando precisarem de me lembrar.

Mofina Mendes disse...

Posso dizer fantástico? É que acho mesmo fantástico!


Às vezes é bom que nos esqueçam porque ao menos não nos incomodam...

bjs

saphou disse...

Temos poetisa. Grande Mac. Parabéns.

saphou disse...

Esqueçam-se de mim
Mas não me abandonem
Vão ao meu blog
E não me pressionem!

O Sitemeter do Funes
É grande como o universo
Contribuam para o meu
Depois deste belo verso!

saphou disse...

Marques correia
de seu nome
até ficou abananado
com a sabedoria da mac
O homem ficou transtornado.

O Marques desculpe o abuso
Desta que só lhe quer bem
Mas se há mulher a sério
É essa que este blog tem.

saphou disse...

Mac, só posso dizer que a sua Couve me enche as medidas.

saphou disse...

Espero que as minhas rimas populares a divirtam um bocadinho. Estou por aqui sempre que precisar. bj

Maria de Fátima disse...

beijinhos muitos beijinhos

mac disse...

Blimunda, ninguém liga nenhuma ao que dizemos, cambada de malandros.

Mofina, obrigada!
Às vezes incomodam-nos de forma que até nos faz bem mas é tão pesado...

Saphou, até fico envergonhada...
Eu adoro rimas populares (já não lia a palavra "abananado" há montes de tempo, que delícia), trazem-nos alegria e descontracção.
Quanto ao Funes, acho que ele adora Capuchinhos. Sobretudo aqueles que gostam do seu sitemeter!

Maria de Fátima, beijinhos para ti também!

Marques Correia disse...

Para a (o?) Saphou:

Há no hipotético hípico
tanto de típico e exótico
como de túrgido e óptico
no pirotécnico lípido.

Nas virações aquáticas
das represálias magnéticas
existem ondas sintéticas
infinitamente estáticas.

Daqui resulta um mito
que pode causar a morte
lá para os confins do norte
donde se divisa o infinito!

Como dizia o Eusébio "Noéminha"!

saphou disse...

Marques Correia, dê-me a sua camisola!

mac disse...

Saphou, na minha ignorância, inquiri sobre a Noeminha e o Marques Correia explicou-me:
Um preto simples (coitado do Eusébio, de quem hoje como ontem fazem um estereotipo...), quando a filha nasceu, desconhecia por completo que mesmo as crianças pretas nascem rosadinhas. Olhou para a pequenita e muito triste exclamou:
- Num é minha!
Há malta tramada, não há?...

saphou disse...

Essa é boa!

saphou disse...

Marques Correia, então é de quem?

Marques Correia disse...

Não faço a mínima; conheço-a há uns bons 40 anos (ai de mim...) e era atribuída a Sócrates (o da cicuta, não o Pinto Monteiro).
Mas não creio que seja desse filósofo; quando muito de um dos discípulos que se recusava a ter, despeitado pela rejeição do mestre.

Maria de Fátima disse...

ora ele custava muito
dava-lhe assim impressão
fazer umas quadras soltas
deixar-se de imprecisão?!

e inda mais, ao rapaz
por via da gentileza
custava ver que menino
ela não é de certeza?!

ai rapazes do meu tempo
ai gentes de bom dizer
a citar quadras safadas
a um Sapho bem mulher!!