terça-feira, 5 de agosto de 2008

Perfeccionismo

Não sei se já perceberam mas sou um bocadinho perfeccionista, pelo menos nalgumas coisas. Não em tudo, que isso era cá uma trabalheira - pelo menos tanta como mexer o café depois de lhe deitar açúcar.

Mas sou, nalgumas coisas. Numa certa imagem profissional. Na ortografia. No aspecto geral de um documento assinado com o meu nome. No cumprimento de promessa feita e não me interessam premissas, pressupostos ou boas intenções. No fazer concreto (se não sei ou não consigo fazer bem, então não faço. É por isso que não canto em público - gosto muito de cantar mas sou desafinada como um piano de pobre).

É tramada, esta mania... Em algumas coisas – as feitas – enche o ego e descansa o espírito: somos bons, competentes, temos qualidade. Mas nas outras, ah! Nas outras... Não as faço, claro, ficariam deficientes e aquém daquilo que considero um mínimo de qualidade.

E defeituosa me fico, maniacamente incompleta, sem fazer nada daquilo em que não sou boa - e é tanta coisa, meu Deus, tanta, tanta! - mesmo que me desse gozo fazê-las, como cantar em voz alta.

Cá fico eternamente saudosa do que por escolha consciente não sou.

Hélas!

2 comentários:

Maria de Fátima disse...

porra! a cunhada canta e eu nem sabia!! que se dane o seu perfeccionismo (que é modo de loucura como qualquer outro, sabia?)e na próxima que me visite, querida, cante-me um ária ou apenas o refrão duma cantiga


que a minha memória não me traia e eu possa voltar à carga: "canta, lá, amiga"

mac disse...

maria de fátima: Pois é, a cunhada canta... De boca fechada ou tão em surdina que não fere os ouvidos alheios... Mas canta.

Hélas!