sexta-feira, 17 de abril de 2009

Amigos


Telefonaram-me: era preciso ir almoçar.

Eu não ando com pachorra, ensaiei uma desculpa até muito boa porque verdadeira, "muito trabalho, uma reunião e um relatório para entregar antes das 15:00"... "Não", disseram-me do lado de lá, "Tem paciência mas é preciso, é mesmo necessário. Desculpa lá mais esta chatice, logo agora, mas tem mesmo de ser. É muito importante, tens mesmo de vir".

O que tem de ser tem muita força, de modo que fui almoçar.

Deram-me conversa fiada ao sabor dos meus humores, atenção e muita, muita amizade. Delicadamente. Com elegância. Sem parecer, sequer. Uma lição que tinha de ser.

Cruzei-me com eles pela primeira vez há anos, mal sabia eu o privilégio. Nessa altura, desconhecia por completo o almoço de hoje, juro. Há malta como eu, com muita sorte.

Hélas!

9 comentários:

Maria de Fátima disse...

tás vendo que não deves MESMO dar cabo do que tens?!

mac disse...

Maria de Fátima, eu sei, eu sei, não batas mais na velhinha...

Alferes disse...

"Com muita sorte" e RICA! E este enriquecimento nunca é ilícito.

mac disse...

Riquíssima, Alferes.

Mofina Mendes disse...

Todos os girassóis no seu caminho!

saphou disse...

E um sol ameno, quentinho...;)

saphou disse...

E sol ameno, quente mas non troppo.

Blimunda disse...

Ora nem mais! Assim é que eu gosto! Sol, amigos e bons caminhos!

mac disse...

Mofina, há também rosas, papoilas e malmequeres... Um mundo de beleza nos caminhos, não é?

Saphou, lindo, morno, aconchegante...

Blimunda, uma verdade verdadeira!