quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O Poste


Eu vinha para casa (mais precisamente, ia a caminho do parque de estacionamento onde está o carro que me levará a casa mas isto já são minudências), como sempre de olhos postos no chão, cega, a fitar as pedrinhas hipnóticas da calçada, a pensar na contingência da vida, nos gafanhotos e nas ameijoas de aquacultura, óptimas porque não têm qualquer areia, e nisto atropelei um poste.

Nasceu ali, sem qualquer aviso e à sorrelfa; aposto que mantém a contagem dos palermas que chocaram com ele, que isto agora já não há respeito nem por parte dos postes.

Uma coisa leva a outra, já sabemos o caminho destas coisas portanto deixo aqui apenas a pergunta final de um longo caminho muito lógico (entretanto entrei no carro e fiquei novamente hipnotizada, desta vez a ouvir o Nabucco):

Porque diacho é que toda a gente acha o pôr-de-sol no mar mais bonito?

Hélas!

8 comentários:

Maria de Fátima disse...

queres tu dizer que em vez de "ver as estrelas" viste UMA estrela a "ocasionar" no mar?
que giro!!! que original!!!

Privada, o bacoco disse...

Um dia bati num poste em Santa Catarina nos anos 80 , depois de me terem avisado que a miuda que estava a galar, era o travesti mais giro da zona. Ainda havia o chico fininho. :-)))))))

jg disse...

Espero que o poste não tenha levantado ondas no preenchimento da declaração amigavel ao seguro.

Mas lá se pode ver o pôr-de-sol, em Portugal, sem ser no mar?

Hélas!

Blimunda disse...

Toda a gente que tem por hábito atropelar postes. É sabido que quando o sol se põe no mar não faz doer a testa!

Maria de Fátima disse...

eu adoro os comentários desta Blimunda: nem sei se é porque os acho em acordo com os seus postes (seus, de si, cunhada) se é porque não percebo (também) nada do que dizem
E deixe que diga, que os comentários da Blimunda são o meu grande atractivo neste blog

Blimunda disse...

A amiga Maria de Fátima é uma poeta com P maíusculo. Não se auto-estime dizendo que não percebe as palavras que empresto à caixa de comentários da nossa querida Mac. Pois se elas não são de quem as escreve mas de quem as lê.

Já agora, permita-me que lhe retribua o mimo que me fez. Sim, porque para mim fê-lo. Eu adoro tudo o que escreve e não perco uma só das palavras que são minhas apesar de sairem do seu teclado.

saphou disse...

Temos couves para si lá no blog.
Eu já atropelei postes, barriga de homem, e ia partindo o nariz numa porta de vidro de uma loja

mac disse...

Maria de Fátima, não sejas assim que te fica mal.
E eu também adoro a Blimunda!!

Privada, ai, o Chico Fininho, ai, ai... O travesti valia a cabeçada?

jg, o poste ficou mudo e quedo. O malandro fez de conta que não sabia ler nem escrever.

Blimunda, vero, veríssimo!

Sapfou, o que eu gostei do meu retrato! Há papparazzi muito simpéticos.