sábado, 7 de março de 2009

Os bons velhos tempos


Toda a gente gosta d"os bons velhos tempos". Sonha-se com eles, tem-se saudades... Quem se lembra já de que na altura não os achou assim tão bons?!

Ora batatas! Virão no futuro óptimos tempos, embora estejam destinados a serem, também eles, velhos. Mas neste momento não são, são não-nascidos ou seja, ainda mais novos que os novos - mas serão bons na mesma, tenho a certeza.

Abramos os olhos para "os bons actuais e futuros tempos", para os gozarmos, ao invés de apenas nos lembrarmos deles com saudade, quando já forem velhos e fora de prazo.

Para já, aproveitem este glorioso dia de sol.

Hélas!

16 comentários:

Mofina Mendes disse...

Exactamente. Chega de passado!

Alferes disse...

O Funes também diz que "o futuro não é senão o passado do por vir". O que importa é hoje! E espero muitos "hojes" com sol.

Marques Correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marques Correia disse...

Agora sem gralhas:
No fundo, no fundo, o presente não existe.
As ocorrências a que chamamos presente, quando delas temos consciência, já passaram. Ou seja para sentirmos (vermos, ouvirmos, cheirarmos, saborearmos, tactearmos) é preciso que tenha existido um estímulo, necessariamente anterior à sua percepção.
No limite, a estrela que vemos "hoje", vemo-la como era há milhões de anos (no caso do Sol, como era há 8 minutos).
Claro que também podemos dizer que só o presente existe: o passado já passou e o futuro ainda não chegou (ou nós ainda não chegámos a ele).
. . . .
Filosofias à parte, é no presente que pairamos e pode ser porreiro se soubermos gerir as nossas expectativas.
As nossas e as dos outros...

Maria de Fátima disse...

olha-me tanta treta treta só para estarem bem: aqui, antes e depois curtir é que é, meus!!!

Marques Correia disse...

Filosofar, para quem esteja para aí virado, também é curtir!
... e eu curto buéééééé´!

Marques Correia disse...

Se a D. MAC me permitir, publicito aqui uma nova faceta do meu blog d'África, agora com uns textozinhos que publiquei em 1996 (caraças, há uma porrada de anos!) sobre fait divers daqueles divertidos tempos.
Vão e zurzam-me no lombo.
. . . .
A propósito, conhecem aquele diálogo entre o masoquista e o sádico?
Aqui vai:
Diz o masoquista: Eh pá, bate-me!
Responde o sádico: Nãããããão!

Maria de Fátima disse...

cunhada, oi! tu permites?! deixas?! consentes que te usurpem o local dos teus comentes?!!!!

mac disse...

Mofina, sim, chega de passado!

Alferes, o Funes às vezes diz disparates :), mas quando eu concordo com ele é porque fala com sabedoria...

Marques Correia, bem vindo às minhas filosofias!
fait divers à vontade, desejo-te bué de zurzidelas!
Os sádicos são maus, disso eu já sabia.

Maria de Fátima, as alegrias desta vida são tretas.
Quanto ao resto, diz o roto au nu...
:)

Blimunda disse...

Mac, como se prova não não é só você que chega tarde. Há mais! Quem quis e pôde aproveitou-o, quem não, chorou por ele no dia seguinte.

mac disse...

Afinal não, Blimunda, o sol também se riu para nós hoje...

Blimunda disse...

Pois foi! Mas do lado de lá da janela... Hélas!

Mofina Mendes disse...

Amiga, tenho um pedido para si no meu cantinho.

Mofina Mendes disse...

Amiga, tenho um pedido para si no meu cantinho.

AC disse...

Olá!

Vais ao meu jantar?
Bjs

Marques Correia disse...

Atão, e não se escreve mais nada?!
Estamos a dormir na forma, ou quê?!