segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Frio

Considerem por favor que hoje é ontem, dia 11...

Sopra um vento frio de Norte,
ou pode ser de Sul, sei lá,
Mas sei que sopra e que é frio.

Conduz as tombadas folhas
Num insensato bailado
vazio de sentido e de vida.

Gela o que pode gelar.
Varre o que pode varrer.
Mata o que pode matar.

Sopra um vento frio de Norte,
E eu que estou sem casaco!


Hélas!

9 comentários:

Mofina Mendes disse...

Um abraço para aquecer, é tão pouco, mas aqui fica...

Nuno Almeida disse...

Não consigo perceber bem em que categoria hei-de classificar esta poesia...
Sei lá...
Pode ser "Indie"? :-)

Alferes disse...

Olá Mac! Pois, está frio! Mas passa, um dia passa!

Álvaro disse...

Gosto é que volte, espero que fresca que nem uma couve acabada de apanhar.

Vai um helás ?

mac disse...

Mofina, nopes, um abraço é muito. Aquece imenso, obrigada.

Nuno, pois, é um problema também para mim... Mas acho que sim, gosto de "Indie"!

Alferes, olá! Pois, eu acredito, estou à espera da Primavera.

Álvaro, só para si, um grande hélas!

Álvaro disse...

A drª alferes ainda não está aberta ao publico ?

Blimunda disse...

Não me diga que foi outra vez a um forum ou workhop cheio de senhoras descascadas?

Ainda bem que está bem. Ainda que intermitente!

Alferes disse...

Hoje já está mais quentinho Mac! Não está?

mac disse...

Blimunda, é a mais pura verdade que frequento alegremente esses fóruns mas estando eu perfeitamente bem, desta feita não é daí que vem o frio.
Mas vem de outro lado. Este, Oeste? Fui sempre uma nulidade em geografia, mas sei que a vida e o momento são frágeis e fugazes, pelo que a intermitência deve manter-se por uns tempos, infelizmente.
Mas vou debicando aqui e ali e há
lugares que me aquecem...

Alferes, está, está, nem sabe quanto! Mas só começou a aquecer agora à noite, acho que vou aproveitar para dormir, que amanhã é outro dia. Thanks.