sexta-feira, 9 de julho de 2010

Hoje


Hoje elogiaram-me descuidadamente e disseram em voz alta que eu era necessária e útil.

Hoje vi um vídeo terrível, gente pobre, doente e sem apoio. Uma criança real, a lutar com tanta garra numa luta que deixa adultos de rastos.

Hoje deram-me vários presentes virtuais: uma oferta pública, uma referência como força amigavelmente malévola mas motivadora e alguns comentários carinhosos.

Hoje bateu-me à porta a rapariga pobre a quem costumo apoiar e que está muito doente. Quando lhe perguntei novidades, esclareceu-me que "neste momento os médicos estão de férias, eles depois dizem-me quando poderá ser a próxima consulta".

Hoje olhei alguém que amo e achei-o com um ar que me preocupou mais. E ele sorriu com amor nos olhos e disse que o jantar estava bom.

Hoje falhei novamente em alumiar a quem olha para mim como um farol.

Hoje fizeram-me a sopa de amanhã para que não tivesse de a fazer eu.

Hoje a vida deu-me uma tareia e no meio da sova dei por mim a pensar que, independentemente de tudo, só realmente vive quem tem outras vidas à volta.

Hélas!

16 comentários:

Luís Maia disse...

Pois é Mac

botou-se-me aqui um nó nas goelas

Privada, o bacoco disse...

Yeah... foi forte

Blimunda disse...

Tão forte que fiquei sem palavras!

Mofina disse...

Engasguei...

Maria de Fátima disse...

e pensar que de aqui a nada te vou poder apertar nos braços e ... não vai dar
não vai dar, que isto do real é outra onda
beijos, Mulher

mac disse...

Luis, de vez em quando sentimos realmente a vida em vez de somente a viver, não é?

Privada, isto tem dias...

Blimunda, as palavras valem menos que os actos.

Mofina, um sobressalro fora das notícias...

Maria de Fátima, abraçaste-me e foi bom. Cada um vive o stress à sua maneira tão pessoal... As pessoas são esparguetes, sabes, inextricaveis. se as tentares desenredar partem-se

saphou disse...

Mac, estou de rastos, a sério, pusete-me a chorar baba e ranho. Estas a a saphouzar-te, não deixes.

saphou disse...

Há 15 dias deixaram-me os braços com nódoas negras

Há 15 dias fui acusadada forma mais vil e injusta e decorre um inquérito para apurar a verdade dos factos. Puseram em causa a única coisa que me resta integridade e honra.

Há oito dias fui parar ao hospital de urgência com ameaça de enfarte, tal foi o estado de choque em que me deixaram os ódios e os poderes de facto instalados

Há 20 dias morreu a minha única tia, irmã da minha mãe e obrigaram-me a ir trabalhar à hora do enterro.

Na semana seguinte, nem à missa pude ir pelas mesmas razões.

Ontem vi um programa chocante sobre as crianças na faixa de Gaza

Ninguém me abraçou ou beijou.

Os meus filhos estão do outro lado do atlântico

Mas ontem fiz a sopa!

E perdoei ao rapaz que deixou ir o carro abaixo e me fez uma série de riscos na frente do carro. Disse-lhe, perante a visível atrapalhação: é mais risco, menos risco, não se preocupe com ninharias.

Ontem caminhei pela praia só

Se perder o emprego da forma mais injusta, inacreditável, com que nunca teria sonhado nem no mais pesado dos pesadelos, ficarei na miséria em 2 anos.

saphou disse...

Poderei ser eu a ir bater à tua porta.

saphou disse...

Se não morrer antes, o que e mais provável.

mac disse...

Querida Saphou, saphouzar-me nunca seria uma infelicidade.

Olha, eu não queria fazer ninguém chorar mas aprendi que chorar lava a alma do pó do passado e prepara-a para o que virá.

Integridade e honra todos a podem pôr em causa - estamos num país livre - mas absolutamente ninguém a pode roubar, só nós próprios, seja um país livre ou não. Portanto, estás a ver, não corres qualquer risco, deixa-os ladrar que a verdade dos factos falará secamente por ti.

A tua tia não precisa de ti no seu enterro nem na missa, tu é que precisavas de lá ir para sossegar a alma; se não pudeste dessas vezes não faz mal, fala com ela da próxima vez que estiveres sózinha na praia. O mar, sabes, o mar é mágico: levará as tuas palavras ao seu destino e trará paz...

Há oito dias, salvaram-te de morrer de enfarte.

Ontem alegraste um rapaz aflito e tornaste o seu dia mau num dia bom.

Ontem passeaste sozinha na praia e a beleza sorriu para ti.

Hoje disseste que o que eu escrevi não foi palha seca para ti e alegraste o meu dia.

Hoje, minha amiga, saúda o verão e sorri à vida. Pela fresca, visita um dos teus muitos amigos e verás que te sorri com a pura alegria de te ver.

saphou disse...

:)

Mofina disse...

A cãs envia-lhe um abraço graaaaaaaaande e diz que ser útil e necessária é a maior riqueza que alguém pode ter.

mac disse...

Mofina, Cãs, um abraço graaaaaaaaaaaaande de volta!

Ser útil e necessária é uma riqueza mas a nossa miserável natureza humana quer é o reconhecimento público dessas características...

Porque diacho não podemos nós bastarmo-nos a nós próprios?

Luís Maia disse...

como disse no FB hoje quase 7 anos depois continuo a sentir o mesmo nó na garganta

mac disse...

7 anos é uma eternidade mas dessa eternidade fica o calor das lembranças...
Se sempre foi sempre uma honra ser referida no blog, ser recordada é uma honra maior.

Obrigada, Luis